Youtube


Visite o Canal Estudando Línguas e Temas Diversos (Powered Leco) e assista nossas videoaulas


Pesquisa Personalizada

Feed Estudando Ingles

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Naquele dia, adquiri a firme convicção de que psicanálise era vigarice.

Deu no blog do Janer Cristaldo:
"A GRANDE MISTIFICAÇÃO
DO SÉCULO PASSADO



Desde meus verdes anos, considerei a psicanálise uma solene vigarice. E Freud, um talentoso vigarista. Mas de que vale um universitário gaúcho contestar uma sumidade vienense? De nada. Segundo dogma estabelecido por seu criador, quem contesta a psicanálise está precisando de psicanálise. Ou seja, estamos diante de uma religião tão dogmática quanto o catolicismo.

A psicanálise, mal surgiu, foi violentamente contestada. Em Gog, Papini via Freud como um médico fracassado com pendores literários. Incapaz para a medicina, Freud dedicou-se à ficção. Assim nasceu a psicanálise. Surgiu agora na França, obra de um ensaísta que confirma minha posição de 40 anos atrás. Trata-se de Le crépuscule d'une idole. L'affabulation freudienne, de Michel Onfray, que trata Freud como um impostor. Se um intelectual francês faz esta afirmação, é claro que tem muito mais autoridade que um gaúcho de Dom Pedrito. Mas Onfray, é bom antecipar, nada tem original. Antes de entrar na discussão, relato minhas restrições à psicanálise. Não, não li toda a obra de Freud. Li apenas O Futuro de uma Ilusão, quando o pensador dos bosques de Viena dá uma no prego, após dar 250 na ferradura. Minha desconfiança com a nova religião decorre de meus contatos com psicanalistas.

Ao chegar em Porto Alegre, tropecei com um fenômeno do qual jamais ouvira falar em Dom Pedrito, a psicanálise. Defendo a idéia de que há embustes que só conseguem enganar intelectuais, jamais enganam o homem simples. Em Porto Alegre, capital intelectualizada, com universidades e farta massa cinzenta, os psicanalistas tinham um excelente mercado para vender seus peixes podres.

Em meados dos anos 70, na Reitoria da UFRGS, tive a chance de xingar a raça. Gritos e Sussurros, de Ingmar Bergman, era analisado por um crítico de cinema e dois psicanalistas. Como eu estava voltando da Suécia, fui convidado por um terceiro psicanalista para o debate. Porto Alegre, naqueles idos, vivia uma circunstância peculiar: sem produzir filmes, tinha uma crítica de cinema ativíssima. Luis Carlos Merten, o crítico, abriu os debates, com voz empostada: "Dois são os instintos básicos da humanidade: sexo e fome. Como não existe fome na Suécia, os suecos fazem um cinema de sexo".

Sem discutir a veracidade histórica da afirmação (no final do século XIX, Estocolmo era uma das cidades mais pobres e sujas da Europa), considerei que no Brasil ninguém passava fome. Vivíamos em plena época das pornochanchadas e o cinema nacional girava em torno a sexo. Merten mudou de assunto e passou a falar de Bergman, o "cineasta da alma".

Discordei. A meu ver, Bergman era o cineasta das neuroses sexuais. Em sua filmografia, o relacionamento físico entre os personagens é sempre sofrido, doloroso, traumatizante. (Quem não lembra o episódio dos cacos de vidro introduzidos na vagina, em Gritos e Sussurros?). Não por acaso, o cineasta estava em seu quinto casamento. Homem que não se acerta com uma mulher - afirmei - não se acerta com cinco nem com vinte e cinco. Mal terminei a frase, fui interrompido por um dos psicanalistas: "Não podemos invadir a privacidade de Bergman, que está vivo. Falemos de sua mãe, que já morreu".

O debate continuou por outros rumos. Em uma das cenas, a personagem principal, interpretada por Liv Ullmann, após jantar com o marido, pergunta-lhe se quer café ou se vai dormir. Interpretação do segundo psicanalista: "Café ou cama. Temos uma manifestação típica de sexualidade oral". Observei aos participantes da mesa que pretendia convidá-los para um cafezinho após o debate. Como arriscava ser mal interpretado, desistia da idéia. O debate foi rico em pérolas do mesmo jaez. Registro mais uma.

Da platéia, alguém perguntou por que razões Liv Ullmann usava duas alianças no mesmo dedo. Interpretou um dos analistas: "Agressão instintiva ao marido, desejo de viuvez antecipada. Ou ainda, uma projeção homossexual na mãe. Ela vê na mãe os princípios masculino e feminino e usa os dois símbolos no dedo". Lavei a alma naquela noite: o douto analista ignorava que na Suécia as mulheres costumavam usar ambas as alianças, a própria e a do marido.

Se a história terminasse aqui, até que não seria grave. Ao sair da Reitoria, fui abordado pelo Sérgio Messias, o psicanalista que me convidara para o debate: "Por que aquela agressão pessoal ao Meneghini? Tens algo contra ele?" Referia-se àquele que insistia em falar da mãe do Bergman. Ora, não me parecia ter agredido ninguém. E muito menos o tal de Meneghini, que via pela primeira vez em minha vida. "Acontece que ele também está na quinta esposa. E como sempre as leva para morar com a mãe, parece que também não está dando certo". Atirei no que vi, acertei no que não vi. Poucas noites ri tanto em minha vida.

Naquele dia, adquiri a firme convicção de que psicanálise era vigarice."
Considero Janer Cristaldo um grande escritor e articulista, mas não posso concordar com esta matéria.
É certo que Freud exagerou em considerar o sexualidade como causa primordial das psicoses, neuroses e demais desvios do comportamento humano, mas daí a dizer que a psicanálise, cujo pai foi Freud, é uma insanidade. 
Note que o autor declara  "Não, não li toda a obra de Freud. Li apenas O Futuro de uma Ilusão, quando ...". Neste livro, Freud trata da religião, como se observa neste pequeno resumo buscado na internet:
O objetivo do presente artigo é analisar a temática da religião enquanto patologia psíquica na Essência do cristianismo de Feuerbach e demonstrar o quanto tal concepção influencia na análise freudiana da religião, notadamente na obra O futuro de uma ilusão. Para ambos os autores, a religião, além seu componente doentio, se constitui numa ilusão e em algo que não pode fornecer nenhum futuro à humanidade. Assim sendo, a crítica freudiana à religião demonstra sua afinidade com um tema clássico dos pensadores pós-hegelianos, que a recusavam, apontando-a como um fator de alienação.
Freud tem uma extensa obra e para e para compreender sua importante contribuição para o auto conhecimento humano é necessario muito tempo e muita dedicação.
Então, é mais fácil criticar e desmerecer o papel importante do criador da Psicanálise.
É por isso e por outras que devemos sempre ler com reservas, pemanecendo sempre atento às bobagens como está propagadas por esse excelente escritor (e também por outros gurus), que em se tratando de psicanálise parece não ter os fundamentos necessários para fazer um crítica com substância.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como Ler Bem e Rapidamente

Estudos de Linguística

Qual o melhor aplicativo para leitura no tablet?

Qual é o melhor e-reader?